domingo, 23 de outubro de 2016

"NÃO RECLAME DO CALOR. PLANTE UMA ÁRVORE." SERÁ MESMO SIMPLES ASSIM?

              A primavera esse ano já chegou trazendo altas temperaturas. Nas redes sociais, reclamação atrás de reclamação. Do outro lado, alguns ironizam essas reclamações atribuindo o calor ao corte de árvores em posts como esses:


Imagens retiradas da internet

              Mas será mesmo essa a causa de todo esse calor? Deixar de cortar a árvore da nossa rua ou plantar uma no nosso quintal resolveria o problema? Bom, em parte (uma parte bem ínfima por sinal) sim, ter árvores por perto interfere no microclima e pode ajudar a diminuir alguns graus na temperatura além de melhorar a qualidade do ar. Mas sabemos que isso não é possível em todos os lugares, quem tá lá no 10º andar continua torrando. Faz-se necessária uma atitude mais drástica pra que possamos tentar amenizar a causa do problema e, quem sabe, garantir a sobrevivência de mais algumas gerações.
              

              Impossível não entrar nesse assunto sem falar no aquecimento global. E é ele mesmo que devemos tentar reverter o mais rápido possível. E as principais causas são o desmatamento e emissão de gases do efeito estufa, cujos principais são o Dióxido de Carbono (CO2) e o Metano (CH4). O desmatamento interfere nisso diretamente pois as florestas purificam o ar, absorvendo no processo de fotossíntese o Dióxido de Carbono e liberando Oxigênio. O desmatamento é prejudicial também devido à forma com que é feito, muitas vezes iniciando com grandes queimadas no período de seca, o que emite toneladas e mais toneladas de CO2 (além de destruir o habitat de milhares de espécies de animais). O Dióxido de Carbono tem efeitos devastadores em longo prazo, pois permanece durante muito tempo na atmosfera.
              E pra acabar com o desmatamento precisamos primeiramente identificar: por que ele acontece?  Imagino que a primeira coisa que vem à sua mente seja a extração de madeira, certo? Mas esse setor está longe de ser o principal causador do desmatamento. A pecuária é a principal causa de tudo isso, não só do desmatamento, mas do aquecimento global como um todo, bem à frente das indústrias e do setor de transporte.
              
Foto por Daniel Beltra - Greenpeace

              Pecuária e desmatamento

              Quando se fala em desmatamento no Brasil, cerca de 60% fica por conta da pecuária. No que se refere à Amazônia, esse percentual sobe ainda mais, chegando a 85%. Segundo João Meirelles Filho - presidente do Instituto de Ecoturismo do Brasil e do Instituto Peabiru - em entrevista à Revista Online IHU em 2009, o desmatamento não é causa de nada, mas um sintoma. Então não é o desmatamento em si que deve ser “tratado”, temos que averiguar as causas, o porquê da pecuária estar migrando pra Amazônia (provavelmente por falta de fiscalização [diferente do Sul] da produção e dos direitos trabalhistas, o que reduz o custo): “temos que averiguar por que a pecuária bovina está seguindo para a Amazônia, por que as pessoas querem consumir mais carne. Essa é a grande questão que temos de atacar; não é um tema isolado da Amazônia, é um problema mundial.” Leia a entrevista completa aqui
              Uma das alternativas propostas pela FAO e demais especialistas no assunto para a redução do desmatamento é trocar o sistema de pecuária extensiva (animais criados soltos) pelo confinamento, produzir muito em pouco espaço. Mais uma atitude pensando apenas no capitalismo e não levando em consideração os animais.

              Então até aí já temos 2 fatores graves para todo esse aquecimento:
              1- Diminuição drástica da área de floresta, que equilibra o clima e reduz a quantidade de CO2 na atmosfera,
              2- Grandes áreas de queimadas, que emitem muitas toneladas de CO2.

              Problema “extra”

              Com essa grande aglomeração de gado, surge outro problema, mas não menos importante: a emissão de metano.
              Esse gás é proveniente de decomposição de matéria orgânica, digestão, extração e queima de combustíveis fósseis. Durante o processo digestivo dos animais ruminantes o metano é produzido e liberado na atmosfera através dos arrotos e flatulências, o famoso “pum de vaca”. Seria cômico se não fosse trágico... Cada animal produz 4,8 toneladas de metano anualmente, o mesmo que uma caminhonete com tração nas 4 rodas circulando por 60km/dia. O metano se dissipa no ar bem mais rápido que o CO2 e não deveria ser levado em consideração se não fosse um grande problema: ele retém 20 vezes mais calor na atmosfera do que o CO2, então acaba sendo muito mais nocivo. Sendo assim, é urgente que busquemos soluções para a redução drástica de emissão de metano na atmosfera, pra que sirva pelo menos de paliativo pra diminuir as temperaturas de forma mais rápida, junto com a diminuição da emissão de Óxido Nitroso (proveniente dos fertilizantes químicos) que é cerca de 300 vezes mais nocivo que o CO2. Isso tudo, claro, de forma simultânea a um trabalho intensivo de redução de emissão de CO2. E a melhor forma de fazer isso é SIM, uma redução drástica no consumo de carne (e demais ingredientes de origem animal que também contribuem pra isso, só que numa escala menor).
              
              Como se já não bastasse o aquecimento global, ainda temos que nos deparar com esse tipo de situação. Criadores de gado da Argentina desenvolveram um sistema de captação de metano dos animais, acoplando uma espécie de “mochila” ao sistema digestivo. Eles alegam que seria uma forma de diminuir o aquecimento global e aproveitar o gás para gerar energia e servir de combustível automotivo. Lamentável a forma com que os animais são enxergados como meras “máquinas de produzir dinheiro”.

              Mas e aí, o que você pensa quando vê cenas de desmatamento na televisão/internet? Você se revolta com o que estão fazendo com o planeta? Fez campanha “Veta, Dilma” (sobre a mudança do código florestal)? Pois que tenhamos consciência de que só existe produção quando há demanda pra isso e essa demanda vem do nosso prato. O planeta grita por socorro. Os animais, a floresta, os indígenas, os trabalhadores rurais... todos saem prejudicados com isso.
              E o calor? Plantar uma árvore não vai adiantar muito não...

sábado, 3 de outubro de 2015

SOBRE O DOCUMENTÁRIO "COWSPIRACY - O SEGREDO DA SUSTENTABILIDADE"

             Muitos de vocês já devem ter ouvido falar no documentário “Uma Verdade Inconveniente” do ex vice-presidente dos EUA, Al Gore. Sempre nos deparamos com notícias e dados sobre emissão de gases que aumentam o aquecimento global e falta de água. Nos mandam a todo momento: fechem a torneira enquanto escovam os dentes e lavam a louça, desliguem o chuveiro enquanto se ensaboam. Comprem carros híbridos, andem de bicicleta... Bom, independente da verdade estas são sim medidas que devemos tomar no nosso dia-a-dia pra colaborar com um mundo mais saudável e sem desperdício. Mas o que você nem imagina é que a principal causa de todos esses problemas que a Terra têm passado e que só tende a piorar é sempre escondida. Não pode ser falada e muitos que ousaram tocar no assunto já foram mortos, inclusive aqui no Brasil.


              Grandes ONGs ambientalistas bradam aos 4 ventos sobre os males que o ser humano tem causado ao meio ambiente, mas quando seus líderes são perguntados sobre a pecuária, apenas se calam. Isso tudo que vem acontecendo no mundo é extremamente grave. Os grandes chefões da pecuária estão totalmente atrelados ao governo de uma forma que não se pode tocar no assunto. Mas o mundo grita por socorro e temos todes que agir o mais depressa possível. Você deve estar pensando “não, a culpa não é minha, mas sim das grandes empresas poluidoras e, já que você disse, dos grandes pecuaristas”. Não. A culpa é totalmente nossa. Pois os pecuaristas produzem pra quem? Pra nós, pros consumidores finais. Se não tiver quem compre eles não vão produzir, pois querem apenas lucro.
              E é isso que os corajosos Kip Andersen e Keegan Kuhn mostram no documentário Cowspiracy – O Segredo da Sustentabilidade. No documentário lançado no final de 2014, Andersen descobre dados da ONU na internet que mostra que a pecuária é de longe a principal causadora de toda a devastação que vem acontecendo no planeta e vai atrás das grandes ONGs ambientalistas pra saber por que eles nunca falam sobre a pecuária. Se ela fosse um agente secundário pelo menos... mas principal?!

Trailer:

              São revelados dados que são de cair o queixo, de deixar a gente bobo mesmo. Como podemos não saber dessas coisas? Por que escondem isso da gente?
              O documentário está disponível pra venda no site oficial e agora também  na Netflix

Eu terminei hoje de assistir e acho que todo mundo tem que ver isso. Principalmente quem se diz ambientalista, defensor do meio ambiente ou vive reclamando das mudanças climáticas que vêm acontecendo no planeta. Deixe seu orgulho de lado, pense no seu planeta, pense nos seus filhos e netos. Não tem ou não quer ter filhes? Pense nas crianças que já estão aí e que com certeza sofrerão muito com tudo isso que acontece no planeta. Pense nos seus sobrinhos, nos filhinhos dos seus amigos. Sustentabilidade é isso! É viver bem sem prejudicar as futuras gerações e definitivamente não é isso que estamos fazendo!

Sobre o documentário achei perfeito, ele mostra cálculos muito fáceis de entender. Pra quem não gosta de assistir documentários com cenas fortes de maus tratos a animais, pode assistir a esse “tranquilamente” (não tem como ver dados como esses e ficar tranquilo, mas...), ele contém “apenas” uma cena do abate de um pato e fica bem claro de ver a hora que vai acontecer, dando a chance de virar a cara ou fechar os olhos pra quem não quiser ver. O documentário trata basicamente sobre o impacto da pecuária no meio ambiente. Uma coisa que achei estranho é a forma como ele se refere aos tipos de alimentação, citando a vegana como sendo isenta de alimentos de origem animal e vegetariana incluindo leite, ovos e derivados (o que está errado). Mas como ainda é amplamente difundido esse conceito de forma errônea, penso que ele falou dessa forma pra ficar mais fácil de atingir todos os públicos. E ele se refere apenas à alimentação no filme, mas devo relembrar que veganismo não é dieta, inclui muitos outros hábitos. Isso que ele fala no filme é sobre alimentação VEGETARIANA (alimentação isenta de ingredientes de origem animal).

Um tópico que eu discordei é sobre a Segunda Sem Carne, que eles tratam como sendo inútil na batalha pelo meio ambiente. Realmente pra quem é vegano é complicado ver uma pessoa se vangloriando por aí por passar 1 dia na semana sem comer carne (e os ovos e laticínios continuam, claro). Mas devemos parar pra pensar que se todas as pessoas (isso só nos EUA) parassem de comer carne durante 1 dia na semana, a redução do impacto ambiental seria gigantesca! Nesse trecho do documentário “Uma Verdade mais que Inconveniente” é mostrado claramente o que aconteceria se as pessoas dos EUA deixassem de consumir carne em 1, 2, 3... até todos os dias da semana. Agora imagine isso no mundo todo? E quem adere à campanha da Segunda sem Carne realmente com consciência do que está fazendo, muitas vezes acaba expandindo pra 2, 3 dias na semana, muitas vezes abolindo totalmente a carne da alimentação e até tornando-se vegan. Um exemplo disso é o caso da jogadora Fernandinha da seleção brasileira de vôlei, que tornou-se vegana começando com a segunda sem carne.

(Trecho do documentário "Uma verdade mais que Incoveniente, que mostra como a redução do consumo de carne tem impacto na redução da emissão de gases do aquecimento global.)

Esse documentário “Uma Verdade mais que Incoveniente” também é muito bom e foi feito pra questionar o documentário de Al Gore, que fala de forma assustadora sobre o aquecimento global e sequer citava a pecuária como um dos agentes causadores disso tudo, que dirá falar que é a principal. Posteriormente ele admitiu o papel da pecuária na devastação do planeta e tornou-se vegano. Assista também no You Tube:


Bom, gente, já me alonguei muito, mas o que eu quero dizer com esse post é que temos que parar e pensar sobre nossos atos! Que somos nós sim, responsáveis por tudo de ruim que está acontecendo ao planeta! O consumo de carne e de produtos de origem animal é o principal responsável pela destruição do meio ambiente, seja com a emissão de gases do aquecimento global, seja poluindo os mares, consumindo água ou devastando as florestas! A mudança precisa acontecer urgente!!! 
A emissão de CO2 precisa sim reduzir o mais rápido possível, mas o metano produzido pelos rebanhos pode ser até 100 vezes mais nocivo à atmosfera do que o CO2, então a redução da emissão de metano precisa ser priorizada pra que os efeitos sejam vistos mais depressa! Um simples bife de 110g que você consome na sua rede de fast food preferida gasta 25 MIL LITROS de água pra ser produzido, sem falar nos quilos e mais quilos de alimento que o animal precisa ingerir pra se desenvolver, alimento esse que poderia alimentar toda a população faminta do mundo! Quanto às criações "orgânicas" de gado, os gastos são ainda maiores! E você aí achando que vai salvar o mundo por fechar a torneira enquanto escova os dentes... 
Os efeitos do aquecimento global estarão muito mais evidentes antes mesmo do ano 2050. Estaremos todos aqui pra ver e sentir na pele! E nós podemos SIM mudar isso, ou pelo menos retardar! Basta que as devidas providências sejam tomadas. Se a principal causadora disso tudo é a pecuária, então é ela que tem que ser reduzida a zero! Se o metano é o gás que mais contribui pro aquecimento global, é a emissão dele que tem que ser reduzida primeiro, gerando assim resultados mais rápidos. Assista o documentário e você entenderá tudo isso que estou falando. Os grandes pecuaristas e o governo podem até querer parar quem luta pra que todos saibam disso, mas não podem nos impedir de mudar nossos hábitos, não podem impedir que cada um faça sua parte. Basta sairmos da zona de conforto e darmos o primeiro passo.

Se você não quer parar de comer carne ou reduzir o seu consumo pelos animais, faça-o pelo planeta, por você mesmo, pelas pessoas que não têm o que comer, pelas próximas gerações! Ou pelo menos reduza o consumo o máximo que conseguir! Se todo fizerem isso, já será de grande ajuda!

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

RESENHA DEKAPCOLOR - YAMÁ

Oi, povo! Hoje eu já vou adiantando uma parte do meu processo de acobreamento! Usei DekapColor pra clarear o meu cabelo e vim mostrar esse produtinho pra vocês!
 
Dekap Color
O DekapColor é um produto da Yamá, usado pra retirar os pigmentos artificiais do cabelo, funcionando de forma diferente do descolorante. Ele não clareia cabelos virgens, apenas retira os pigmentos artificiais. Exemplo: se você descoloriu o cabelo e pintou, depois do Dekap ele vai ficar da cor que estava antes de pintar. Se você tinha o cabelo virgem e pintou de uma cor mais escura que a natural, ele vai voltar pra sua cor natural (ou algo próximo disso).

              Na embalagem diz que rende até 3 aplicações, mas nesse caso é pra cabelos médios a longos. Tava com medo de render pouco e usei a metade. Deu pra melecar bem o cabelo, eu poderia ter usado um terço tranquilamente. Vem 2 embalagens com 100ml cada. Passo 1 e passo 2. Gente, o negócio cheira a esgoto, sério. É bizarro o fedor, mas depois vocês vão ver que vale a pena. Custou R$49,90 aqui na minha cidade, mas creio que em cidades maiores deve ser mais barato. Acho que valeu muito a pena, pois uma decapagem no salão é o olho da cara. Pode ser encontrado em perfumarias e na internet.
 


Pra ajudar no clareamento, deixei meu cabelo ir desbotando por vários meses (o que gerou uma raiz gigantesca também, que aliás, ficou intocada. Realmente ele não faz efeito nenhum em cabelos virgens). Misturei em partes iguais e apliquei no cabelo seco. A textura é muito boa, não fica muito consistente, mas também não fica muito fluido, escorrendo. Deixei por 40 minutos. Quando fui olhar no espelho antes de lavar, achei que não tinha clareado nada. Lavei com shampoo e dei uma condicionada rápida. Percebi que tinha clareado sim, mas pra eu reaplicar eu teria que secar, então sequei na correria e aconteceu aquilo que postei no vídeo do instagram hahaha. Meu cabelo virou um vassourão. Mas não quero saber, ele clareou muito, fiquei praticamente loira. E pro acobreado pegar já era o bastante. Não reparem no estado do meu cabelo nas fotos, gente, eu vou demorar séculos pra recuperar o coitadinho. Ele já estava muito judiado antes, a culpa não foi do DekapColor. Pelo contrário, apesar da vassoura, meu cabelo ficou super macio depois de clarear. Ponto pro DekapColor!


Bom, como não podia faltar, vai uma fotinha de como ficou meu cabelo depois de pintar e tonalizar. Mas vai ter post completo de como fiz pra sair do vermelhão Ariel pro acobreado de primeiraaaa *-*. Logo logo o post sai, e vai ter vídeooo!!! :D
 
Depois de pintar
Enfim, gente, super aprovado o DekapColor! Lembrando também que é um produto VEGANO!!! Pra mim funcionou muito bem, pois meu cabelo quase não foi pintado de outras cores além do vermelho, sem falar que fiz big chop não tem tanto tempo assim, então não tinha muito pigmento antigo nas pontas e ele quase não manchou. O tonalizante uniformizou tudo depois tranquilamente. Mas pra quem tem o cabelo já manchado ou que já foi pintado e descolorido muitas vezes, recomendo ajuda profissional.
O DekapColor tem um problema que é a possibilidade de chumbar o cabelo. Comigo não aconteceu, mas faça sempre um teste de mecha antes pra saber. Sinceramente eu não sei por que acontece isso, se a cor da tinta interfere... E não funciona com anilina.

Bom, é isso, gente, espero que tenham gostado da resenha! Compartilhem pra galera conhecer mais essa opção vegan pra mudar o visual!

Até a próxima!

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PROTEÍNA DE SOJA E PREPARO

              E aí, gente! Como vão vocês?! Hoje eu tô animada porque abriu um sol lindo aqui em JF! Apesar de estarmos precisando desesperadamente de mais chuva, é bom uma pausa pra gente poder pelo menos lavar nossa roupa, né? Fiz tanta coisa em casa hoje que o post saiu atrasado! haha

              Então, hoje vou falar sobre um ingrediente comum, mas muito polêmico na culinária vegetariana que é a proteína de soja. A famosa PTS (Proteína Texturizada de Soja) ou PVT (Proteína Vegetal Texturizada), mais conhecida como carne de soja é o resíduo do óleo de soja que resolveram comercializar. Há muita polêmica em torno do produto e até da soja em si. Alguns dizem ser cheia de nutrientes, além de ser riquíssima em proteínas, outros dizem que é cheia de antinutrientes, que pode prejudicar o funcionamento da tireóide... Enfim, não vou aprofundar muito nisso pois é uma questão muito complicada. Eu, particularmente nunca achei nada conclusivo sobre esse assunto, então cada um escolhe o que achar melhor. 

Proteína de soja
              Uma coisa muito discutida também, até usada como argumento pra defender o consumo de carne, é que “o desmatamento pra plantar a soja dos vegetarianos". Gente, isso nunca vai ser verdade. A maioria esmagadora da soja produzida é destinada ao consumo dos animais de corte. Ou seja, desmata-se pra plantar a soja + desmata-se pra pastagens dos animais e lá se vai nosso meio ambiente e as pessoas pobres continuam sem comida mundo afora. Enfim, a soja que consumimos é uma quantidade ínfima quando comparada com a soja destinada à pecuária e não deve nem ser levada em consideração.

              Sendo assim, cabe a você decidir o que acha melhor. Claro que tem coisas que são inegáveis. A PTS é um produto altamente industrializado, que já passou por tudo quanto é tipo de processo químico, mas querendo ou não, quebra muito o nosso galho às vezes, sendo o principal substituto da carne pros vegetarianos (“principal” nesse caso = mais usado para fazer pratos parecidos com a carne. A substituição ideal da carne é dada pela combinação de cereais e leguminosas, que suprem perfeitamente nossa necessidade protéica). Isso levanta outra questão: se o ser humano não precisa de carne, pra quê ficar substituindo? Ok, os nutrientes realmente precisam ser substituídos, mas pra quê essa necessidade de ter uma imitação de bife no prato? Pra quê ter uma “carne moída vegetal”? Muitas pessoas julgam veganos que comem imitações de carne como não sendo “veganos de verdade”. Incluindo carnistas (risos). O que eu penso é o seguinte, essa “necessidade” de substituição é normal, é do nosso costume, quase todas as pessoas comem carne desde pequenas, quase todos os pratos tradicionais levam carne e é praticamente impossível parar de comer carne + abdicar de todos esses pratos! Então qual o problema em fazer versões vegetarianas? Desde que não esteja matando ou explorando nenhum animal, qualquer comida é bem-vinda! Creio que com o tempo essa necessidade vai passando aos poucos... muitos veganos que eu conheço já não consomem PTS, fazem aquele prato lindo com vegetais variados, prato esse que já tem todas as suas necessidades nutricionais supridas. Eu mesma já comi muita PTS e já reduzi bastante o consumo. Mas seguimos assim, cada um a seu tempo, cada um no seu ritmo.

              Mas ninguém pode negar que a danadinha quebra um galho danado e é muito versátil, não é mesmo? E por isso é atacada nas prateleiras pelos novos (ou velhos) vegetarianos! Com ela é possível fazer bifes, hambúrgueres, almôndegas, strogonoff, recheio de salgados, molho bolonhesa entre muitas outras coisas. E uma das dúvidas mais recorrentes é como preparar a PTS. Ela precisa ser hidratada para retirar o cheiro e gosto fortes. Depois disso ela estará pronta pra receber o tempero que você mais gostar.

              Como preparar a PTS:

              Primeiramente deve-se colocá-la em água quente. Alguns preferem apenas mergulhá-la em água morna e deixar por alguns minutos. Eu, particularmente prefiro ferver. Coloque a água e a PTS no fogo com um pouco de limão ou vinagre (opcional) e deixe ferver por 5 a 10 minutos, retirando a espuma que fica por cima. A PTS vai aumentar bastante de tamanho.
              Escorra a PTS em uma peneira/escorredor de macarrão e descarte a água. Lave na água corrente apertando sempre a PTS pra que ela libere a água amarelada que fica no seu interior. Tome muito cuidado no início pois haverá água fervendo dentro da soja. Repare que ela fica com a textura de uma esponja. Então vá repetindo esse processo embaixo da torneira, sempre apertando a soja e deixando mais água entrar pra lavar a água amarelada. Faça isso até a água da soja sair clara. Na última vez que for espremer, se certifique de que ela vai ficar bem seca, pois assim ela absorverá melhor os temperos. Se a PTS ficar encharcada, a água ocupará o seu interior, dificultando assim a penetração dos temperos.
              Agora você já pode temperá-la. Se for PTS graúda, você pode picar em pedaços menores dependendo do prato que for fazer. Pode-se até bater a PTS graúda no liquidificador (utilizando a função “Pulsar”) pra que ela fique com aparência de desfiada. Pra temperar eu aconselho usar molho shoyu + os temperos da sua preferência. Acho bom usar o shoyu, pois um tempero líquido vai penetrar mais facilmente na PTS. Faça uma mistura de shoyu com temperos em um recipiente, pra ficar bem uniforme e coloque sobre a soja. Misture bem e, se possível, deixe marinando por algumas horas pra pegar melhor o gosto (mas não é extremamente necessário). A PTS miúda dispensa o tempo de marinada, mas é aconselhável caso queira mais sabor. A diferença das duas é apenas o tamanho mesmo, então, naturalmente a graúda é um pouquinho mais difícil de lavar e temperar, mas é coisa que logo pegamos o jeito e fazemos em poucos minutos.
              Pra quem não quer ter sempre essa trabalheira de hidratar a soja, é possível congelar depois de hidratada e temperada. Aconselho usar um tempero bem leve e básico (até porque o congelamento acentua o sabor). Depois é só descongelar e “personalizar” o tempero para o prato que for fazer.
              Seguem alguns exemplos de pratos feitos com a PTS! Se inspire!

Receitas com proteína de soja
               Não reparem nas fotos amadoras dos pratos! São fotos que venho tirando a um tempo das coisas que eu faço. haha
               1- "Carne de panela" com batata
               2- Almôndegas
               3- Chuchu recheado com PTS e legumes, coberto com queijo de mandioca
               4- Strogonoff
               5- Hamburguer
               6- Coxinhaburger! Sim, rolou coxinhaburger vegano e usei a PTS tanto pra fazer o hamburguer (PTS escura) quanto pra rechear a coxinha (PTS clara). Pra quem não sabe do que eu tô falando, veja aqui (mas minha versão vegan é bem melhor hehe). E esse prato mostra o quanto a gente pode "veganizar" praticamente todos os pratos onívoros que encontramos pela frente! :D
               Essas são só algumas das muitas possibilidades!

               Bom, gente, é isso! Pense direitinho nos seus hábitos de consumo, e caso consumam, optem sempre pela soja não-transgênica e orgânica se possível. E cuidado pra não se apoiar sempre na PTS, vegetarianos! Tem tanta comida gostosa, colorida e saudável por aí! Que tal abrir o seu leque de opções?

              Até a próxima!

domingo, 13 de setembro de 2015

SAGA NO / LOW POO #1

   Oi, gente! Tudo bem?
              Hoje eu volto com mais um repost do Caveiras e Flores pra dar continuidade na minha história com o Low Poo. De lá pra cá muita coisa já aconteceu, já passei pro No Poo, e logo logo dou continuidade pra vocês verem o quanto essa técnica é maravilhosa!

"Já faz um pouco mais de um mês que postei sobre o início da minha saga Low Poo e nesse meio tempo muita coisa já aconteceu. Nesse post vou mostrar toda a mudança que ocorreu com meu cabelo. Depois vou fazer um post separado de resenha do shampoo e condicionador que estou usando. Só não reparem nas fotos, gente, pois nenhuma foi feita com a finalidade de postar aqui. Eu nem sabia que ia fazer Low nas 2 primeiras fotos e nem lembrava que ia fazer posts pra mostrar a evolução do meu cabelo! haha

Bom, há uns meses atrás, eu estava com um cabelo enorme, alisado, batendo na cintura. Estava aquela coisa esticada, com as pontas espigadas, sem vida e sem movimento. Resolvi cortar pra melhorar a situação dele, mas ainda sem nem saber de Low Poo. Minha ideia era cortar pra seguir alisando só na chapinha, sem fazer selagem ou alguma outra química.

Cortei bem curto, acima do ombro, e gostei dele ondulado, mas ainda estava com as pontas alisadas e não achei muito legal isso. Mas queria deixar ele crescer um pouco mais pra finalmente fazer o Big Chop e tirar o resto do alisamento. Nesse período foi que comecei a pesquisar sobre a técnica.

Comecei a técnica! Ainda sem fazer o BC. E logo nas primeiras lavagens já notei que meu cabelo estava cacheando bem mais fácil quando lavava e finalizava direitinho. Mas em matéria de Day After... zero ainda. Ele amanhecia esticado e a parte com alisamento, mais esticada ainda. Na foto a seguir mostra ele depois de crescer bastante, pouco antes do BC. Foi no dia seguinte à lavagem e ele tava péssimo.

   E finalmente fiz o BC! :D
              Consegui tirar todo o alisamento! Admiro muito quem passa por toda aquela transição, às vezes demoradíssima, mas eu não conseguiria! Meter a tesoura assim é libertador (ainda mais quando você mesma o faz haha). Agora mais curto, sem alisamento e com mais tempo na técnica, ele está cacheando bem mais fácil, sem falar que “acordo com o cabelo parecendo dessas mulheres de novela” (palavras do meu marido)! haha

Em pouco mais de 1 mês fazendo a técnica, é gritante a diferença! Meu cabelo está bem mais “apresentável”. Fica arrumadinho e com os cachos mais definidos (mais ainda tem que definir mais). O que tenho pela frente agora é saber controlar o que usar nos Days After, pois ele ainda costuma ficar meio ressecado e pesado quando passo alguma coisa. Preciso achar cremes mais leves ou alternativas naturais. Outra coisa que ainda não estou fazendo é o cronograma capilar. Ainda não conseguir comprar tudo que preciso, então vou tratando ele com o que tenho aqui, tentando identificar os “sintomas” e usar o que tenho.
Agora lado a lado pra ver melhor como melhorou!
Eu gostaria bastante de poder continuar com ele curto, mas não sei se isso vai ser possível, pois preciso usar capacete praticamente todos os dias pois vou de moto pra faculdade e o capacete não colabora muito, né?  Mas vou tentar algumas técnicas aqui pra ver se melhoro minha relação com o capacete. Se não funcionar, vou acabar deixando crescer mesmo pra poder prender, infelizmente. Mas também é lindo um cabelão cacheado, né?! Então acho que vou gostar de qualquer maneira mesmo. Hehe"

Então, gente, como vocês já devem ter percebido até pela minha foto de perfil, já se passou um tempinho, né? Meu cabelo deu uma crescida boa e tenho muita coisa pra contar. Então logo logo farei post novo pra contar tudo pra vocês. Só digo uma coisa: vale totalmente a pena "investir" nessa técnica. Além disso, pretendo mudar a cor do cabelo pro ruivo acobreado (finalmente criei coragem *-* ) e vou mostrar tudo pra vocês também!
       
          Até a próxima!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...